quarta-feira, 23 de julho de 2014

Não sou nada indelével, sou instável como a cidade...

Djavan - Om

domingo, 6 de julho de 2014

Dissipa a luz no ar
o facho de claridade
um pedacinho do Sol
no universo da maldade

Ilumina a doçura da rosas
e a miséria das bocas
essa luz que iguala
tudo o que a rodeia
tremula luz se abala
ilumina o claustro -  a cadeia

no verbo fogo e luz
na pele queimada o pus
força da chama mortal

A mente clara no escuro
nas sombras esconde as formas
mas não esconde os murmuros

Rômulo Romanha