sexta-feira, 1 de julho de 2011

Acordando

A vida não escapa daquele minuto na frente
Que corre demente junto do inocente presente
Não pare adiante, afastado, olhando distante
Respirando na hora, acordado ou dormente

Com você não vai ser diferente
Sinto muito, mas e quem não sente?

Com você não vai ser diferente
Sinto muito, mas e quem não sente?

Vi o sangue correr
Corre em mim e em você

Mesmo assim eu insisto
Eu acordo o momento é ardente
Daqui pra depois, na demora chegando indecente

Dou o sangue pra ver
Tu morrer e nascer

Vi o sangue correr inocente
No perfume o cheiro não mente

Nação Zumbi

domingo, 5 de junho de 2011

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Os sons emitidos pelas vibrações
quase imperceptível
das pedras...
São transformados em ações
na alma sensível
dos poetas.

Rômulo Romanha

segunda-feira, 11 de abril de 2011

ASSOMBROS

Às vezes, pequenos grandes terremotos
ocorrem do lado esquerdo do meu peito.

Fora, não se dão conta os desatentos.

Entre a aorta e a omoplata rolam
alquebrados sentimentos.

Entre as vértebras e as costelas
há vários esmagamentos.

Os mais íntimos
já me viram remexendo escombros.
Em mim há algo imóvel e soterrado
em permanente assombro.

Affonso Romano de Sant'Anna (Lado Esquerdo do Meu Peito)

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Meu amigo comprou um carro pra circular no mar....