terça-feira, 28 de dezembro de 2010

http://www.youtube.com/watch?v=S6s8QjLwQM0

Traduzir-se


Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir uma parte
na outra parte
— que é uma questão
de vida ou morte —
será arte?

Ferreira Gullar
De Na Vertigem do Dia (1975-1980)

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Caneta e papel na mão sai o rascunho
O raciocínio comanda meu punho
Cenas fortes sem cortes sou testemunho
A matemática na prática é sádica
Reduziu meu povo a um zero a esquerda mais nada
Uma equação complicada
Onde a igualdade é desprezada

techo da Música: Matemática na Prática do Rapper: GOG

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Desânimo

Hoje acordei tão sem eu,
que parecia que meu corpo tinha acordado
mas, ao se levantar me esqueceu.

Romulo Romanha

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Janela...



O que me faz perceber
que lá é outro lugar
é a janela de casa,
se pra fora me ponho a olhar.

Então percebo que lá não estou.

E aqui,
nesse ambiente cercado
me pergunto calado

Onde começou o ar daqui
e o de lá terminou?

Romulo Romanha