quarta-feira, 16 de abril de 2008

...as cidades e os simbolos...

Seguindo por três dias as paredes da muralha.
Que cercam as cidades que não querem ser tocadas.
E caminho. Tento pular muro.
Quando percebo a altura fico meio inseguro.
Mas do alto já dá pra observá-la.
Ver suas virtudes e em que posso melhorá-la.
Acrescentar, modificar
E ver na cidade que é provável transmutar.
Mas me esqueci nessa viagem sou só um observador.
Só vim pra relatar o encontrado e o que me encontrou.
Então sigo por suas pontes de concreto
E percebo que nela existem mundo paralelos
Várias cidades se entrecruzam se relacionam em um mesmo local.
Tudo é multiplicado em uma cidade multifuncional.
Seus símbolos, seus gestos, dizem coisas que variam.
A percepção do receptor é quem dita o caminho
Cada fachada de suas casas e edifícios.
É sempre variável e nunca é preciso.
Em meio a uma confusão de significados.
E vendo tudo aquilo, fico sempre impressionado.
Mas tenho que prosseguir, não vim pra ficar parado.
Tenho que andar atento a todos os lados.
E guardar em minha mente tudo que é encontrado.
Nas cidades e seus símbolos o silêncio é falado.
O antagonismo de suas imagens é modificado.
Mesmo calculando não encontra um resultado.
Preciso,
Os espelhos das cidades são seus rios poluidos.
O que acontece nela em seu rio é refletido.
Sua autodestruição sua voracidade
Suas ruínas aumentam em grande velocidade.
Mas mesmo suas ruínas são magnífica beleza.
Carregam sua história alegrias e tristezas
Escute-a, a cidade está falando.
Seus mais belos encantos estão se modificando.
A transformação é inerente a sua existência
Para entendê-la muita calma e sapiência.
Observação virtude dos sábios
Assim passeia pela cidade suavidade em seus lábios
O encanto do seu povo é algo incontestável.
Quando os vejo sinto em meu peito algo inexplicável.
A cidade os reflete a todo instante.
As coisas não param, são inconstantes.
Parece que ela está os paquerando a cada minuto.
A relação entre todos ainda sim é algo confuso
Minha cabeça está vazia, meus olhos estão cheios.
As imagens nela criada transformam os meios.
Eu perplexo, tento, mas parece impossível entende-la
A luz que ilumina e os afasta é a mesma

Nenhum comentário: